10/02/12

Pequena vitória do independentismo face a estratégia repressiva das sançons 'administrativa'

Versión PDFVersión PDF
picolo.jpg

Redaçom/ Nos últimos tempos a repressom do Estado ao independentismo galego tem apostado muito na via das sançons administrativas, lastrando com inumeráveis multas o movimento. Por cansaço, ou pensar que nom vale de nada, muitas pessoas desistem de apelar estas sançons políticas, mas casos como o dum militante de Nós-UP nesta semana, demonstram que também se podem conseguir pequenas vitórias.

No 7 de fevereiro, o Tribunal do Contencioso Administrativo nº1 de Ponte Vedra anunciava a estimaçom dum recurso apresentado por Nós-UP “contra a decisom da Subdelegaçom do Governo espanhol de desestimar o recurso de alçada contra a sançom imposta a um militante de NÓS-Unidade Popular após umha denúncia da polícia espanhola”. Nos factos, que se remontam a março de 2010, o militante fora arbitrariamente identificado por três polícias espanhóis, os quais, ao serem interrogados pola razom da identificaçom, ameaçárom e retivérom este independentista nos banhos da estaçom de autocarros na que estava. A maiores, recebera umha multa de 150 euros por “se negar a ser identificado”, “falta de respeito à polícia em público”, “resistência a ser revisto”, e “comentários irrespeitosos e grosseiros aos agentes”. “É esta –sinala a assembleia comarcal de Nós-UP em Ponte Vedra– umha das raras ocasions em que as falsas acusaçons da polícia espanhola, facilitadas pola “presunçom de veracidade” que os repressores tenhem e que lhes permite realizar denúncias falsas sem nengum tipo de prova além da sua “palavra” (facto aproveitado para tentar dificultar a atividade d@s ativistas e do movimento popular, como bem sabemos em NÓS-Unidade Popular), nom prosperam a nível judicial”. 

 

As sançons administrativas


No Novas da Galiza nº 97, Óscar Gomes, de Ceivar, denunciava que o organismo anti-repressivo está a atender cada ano até cem casos de procedimentos administrativos contra o independentismo galego, denunciando que “as sançons administrativas som umha medida política, nom estám a aplicar o direito penal. Nom se persegue a comissom eventual dum delito, mas umha ideologia e um movimento político. Depois dos três recursos administrativos dam-che a possibilidade dum contencioso-administrativo num julgado. Mas este processo nom é gratuito, há que dispor dum advogado e se se perde há que pagar as custas judiciais, que podem ser um mínimo de 300 euros”. 

Outras noticias...

Nom há outras notícias

Publicidade